O motorista viu quando a criança aproximou-se da janela do carro aproveitando o semáforo fechado. Uma menina maltrapilha, com idade estimada de cinco anos. Fez uma carinha de choro, e reclamando de fome pediu ajuda. Queria dinheiro para comprar comida. Comovido o homem tirou  a carteira do bolso, pegou uma nota de dez reais entregou a ela, sugerindo que comprasse alguma coisa para comer. Agarrando a nota,  a pequena balbuciou alguma coisa e saiu correndo. Uns cem metros adiante viu quando ela entregou o dinheiro a uma mulher suja e malvestida que tinha a seu lado mais três crianças. Vendo uma viatura da polícia, o homem estacionou o carro e dirigiu-se a patrulha que vigiava o cruzamento. Explicou o ocorrido, e surpreendeu-se com o relato dos policiais. Foi informado que a polícia sempre soube  daquela situação. São adultos que exploram crianças levando-as às esquinas da cidade para exercer mendicância. Existem ali crianças que são alugadas dos pais verdadeiros para exercer aquela indigna função. O dinheiro depois de entregue aos adultos toma destinos diversos, parte vai para cigarros, bebidas, e até mesmo drogas, sem a mínima preocupação de beneficiar as crianças. Afirmaram ainda que as doações sendo espontâneas, na verdade não há crime e portanto não há base legal para a repressão. Além disso são poucas as pessoas que se preocupam em verificar mais a fundo, como ele.  Decepcionado, o motorista foi embora, com uma sensação de inutilidade e impotência. Esta é uma situação muito comum em sociedades pobres e deseducadas como a nossa. E só haverá esperança quando a educação for levada a sério. Quando essas crianças não ficarem a disposição do crime,  mas ocupadas com atividades lúdicas e pedagógicas. Quando os governantes abrirem os olhos para a necessidade de combater a miséria com políticas sérias de criação de empregos, e de programas sociais responsáveis. Enquanto isso não acontecer, esses menores continuarão a ser explorados, maltratados e abusados, e nós continuaremos a conviver com mendigos mirins a serviço da indignidade e do descaso.

2 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.